Inicio >> AGUA >> Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas

 

1) De onde vem a água que a SAE distribui à população de Ituiutaba?

A água potável distribuída à população vem do Ribeirão São Lourenço. Para complementar a vazão de água do Ribeirão São Lourenço em períodos de seca, a SAE construiu a captação de água do Rio Tijuco. Tanto as águas captadas do Ribeirão São Lourenço quanto as do Rio Tijuco são bombeadas para a Estação de Tratamento de Água (ETA) onde são potabilizadas para depois serem distribuídas para a população.

2) Por que a SAE não construiu o poço no Aqüífero Guarani?

Para resolver o problema da escassez de água do Ribeirão São Lourenço em períodos de seca, a SAE priorizou a construção da captação de água no Rio Tijuco. As águas subterrâneas são geralmente de excelente qualidade. Contudo, esta confirmação só é possível após a perfuração do poço, que demanda altos investimentos. Assim, estes investimentos foram direcionados inicialmente para a captação do Rio Tijuco que possui uma água semelhante a do Ribeirão do São Lourenço.

3) Qual a legislação que controla a qualidade da água potável?

No Brasil, o Ministério da Saúde é responsável pela normatização dos parâmetros característicos da água potável, através da Portaria 2.914 de 12 de Dezembro de 2011.

Nessa Portaria são apresentados todos os parâmetros físicos, químicos, biológicos e organolépticos obrigatórios de análises, suas concentrações máximas permitidas em água potável, bem como frequências, quantidade e locais de amostragens. A Portaria 2.914/2011 do Ministério da Saúde apresenta-SE na sua íntegra no site (www.funasa.gov.br). A SAE obedece rigorosamente os dispositivos da Portaria citada acima.

4) Como é feita a vigilância da qualidade da água potável em Ituiutaba?

A vigilância da água potável em Ituiutaba é feita pela SAE nos laboratórios que se encontram junto à Estação de Tratamento de Água e laboratórios externos credenciados pela SAE. Todo controle começa na própria Estação, onde todas as fases do tratamento são monitoradas por meio de análises nos laboratórios e por meio de equipamentos automatizados que fazem análises on-line de diversos parâmetros. Nas redes de distribuição de água, a SAE faz mensalmente a coleta de amostras em mais de sessenta pontos da cidade para análises físico-químicas e em oitenta pontos para análises bacteriológicas. No final de cada mês, é elaborado um relatório que é encaminhado para a Secretaria Estadual e Municipal de Saúde, que por meio da Vigilância Sanitária, são responsáveis pelo controle da qualidade da água nos municípios.

Resolução nº 357/2005 do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente).

5) Como é feito o tratamento da água?

O tratamento da água consiste na transformação da água bruta captada nos rios em água potável para o consumo humano. Esse tratamento é realizado nas Estações de Tratamento de Água. A primeira etapa consiste em retirar da água bruta, por processos físicos e químicos, as partículas sólidas em suspensão e diluídas que provocam cor e turbidez (baixa transparência) na água. Nessa etapa é feita:

 

  1. A Floculação: É a formação de flocos de materiais sólidos em suspensão e diluídos por meio da ação de produtos químicos;
  2. Decantação: Onde esses flocos ficarão retidos e a filtração, que completa a retirada desses materiais sólidos. Na próxima etapa, é adicionado o flúor, que tem a finalidade de ajudar a proteger os dentes da população, principalmente infanto-juvenil, das cáries. Também nesta etapa é adicionado o cloro, que tem a função de desinfecção da água. A presença do cloro na água, em todos os pontos das redes de distribuição, é a principal garantia da sua potabilidade.

 

6) Há alguma diferença entre a água tratada do Rio Tijuco e a água tratada do Ribeirão São Lourenço?

Não. Embora as águas de cada rio tenham algumas características distintas, com o tratamento, elas se tornam similares, isto é, ambas atendem aos padrões de potabilidade estabelecidos pela Portaria 2914/2011 do Ministério da Saúde.

7) Quanto tempo o cloro permanece na água potável?

De 3 a 4 dias. Como a renovação da água nas residências é contínua, isso não deve causar maiores preocupações. Entretanto, se por motivo de viagens ou férias, você ficar mais de 5 dias com a casa desocupada, sem utilizar a água, recomenda-se fazer uma renovação da água da caixa ao chegar, mediante acionamento das descargas do vaso sanitário e das torneiras das pias. Esta água a ser descarregada, mesmo sem o residual de cloro, poderá ser utilizada para lavar pisos, roupas e regar plantas.

8) Para que serve a caixa d’água?

A caixa d’água ou reservatório doméstico tem duas finalidades: uma delas é “quebrar” a pressão da água que entra no seu imóvel, deixando-a adequada para seu uso mais econômico, evitando sobrecargas nas tubulações internas. A outra, como uma garantia de continuidade do abastecimento do imóvel quando das interrupções temporárias do fornecimento de água pela SAE por motivos de reparos e manutenções das redes de distribuição.

9) Qual deve ser o tamanho (capacidade) da caixa d’água?

Recomenda-se para caixa d’água domiciliar uma capacidade equivalente a um dia de consumo. Segundo a ONU, Organização das Nações Unidas, a quantidade de água suficiente para atender as necessidades básicas de um indivíduo é de 110 litrosentão em uma residência onde moram 5 pessoas, a caixa d’água deve ter uma capacidade aproximadamente de 600 litros (5 pessoas x 110 litros/pessoa/dia).

10) A água de qualquer torneira de minha casa é segura para se beber e fazer comida?

A SAE garante a qualidade da água distribuída à população até a entrada do imóvel no padrão, onde existe o medidor de consumo (hidrômetro). A manutenção da qualidade da água nos cômodos internos da residência é dever e responsabilidade de cada morador. Por isso, mantenha suas instalações hidráulicas sempre em bom estado de conservação e limpe a caixa-d’água pelo menos 2 vezes ao ano. Toda caixa-d’água deverá ficar permanentemente tampada e bem vedada. Quando as águas das torneiras internas de sua casa apresentarem aspectos diferentes do normal (cor, cheiro, gosto, etc), faça inicialmente uma comparação com aquela que está chegando no padrão, antes de acionar a SAE.

11) A SAE presta serviços de limpeza de caixas d’água?

A SAE não presta este tipo de serviço. Porém, distribui folhetos explicativos para que os proprietários dos imóveis executem esse serviço. A equipe SAE também pode prestar esclarecimentos e tirar dúvidas para a realização deste serviço.

12) As águas de poço e as águas de mina podem ser consideradas potáveis?

Em áreas urbanas, as águas de poço e de mina podem estar contaminadas por poluentes presentes no solo. Embora possam ter aparência límpida e cristalina, elas geralmente contêm microorganismos não visíveis a olho nu, que podem causar doenças. Entretanto, recomenda-se sempre antes de utilizá-las fazer analíses laboratoriais para caracterizá-las quanto aos aspectos físicos, químicos e microbiológicas. A SAE presta estes serviços por meio de seus técnicos químicos e de seus laboratórios. A sua solicitação pode ser feita no Atendimento Personalizado na Av. 33 nº 474 – Setor Sul.

13) Como se pode potabilizar uma água de poço ou de mina?

Caso as análises laboratoriais indiquem, nas águas de poço e de mina, presença de microorganismos, é necessário fervê-las e desinfectá-las através da cloração caseira. Entretanto, quando os resultados dos exames laboratoriais da água do poço ou da mina indicarem uma reprovação quanto aos aspectos físicos e químicos (cor, concentração excessiva de substâncias dissolvidas, etc) não há como potabilizá-la no âmbito doméstico. Essa água não deve ser utilizada para beber e fazer alimentos.

14) Por que, às vezes, a água da minha casa sai esbranquiçada da torneira?

Muita gente relaciona a coloração esbranquiçada da água com a dosagem adicional de cloro ou ar na rede. Isto não é verdade.

A água esbranquiçada é motivada pela presença de microbolhas resultantes da pressão da água na tubulação, no instante da abertura da torneira. Se você deixar essa água num copo por um ou dois minutos, ela volta a ficar incolor e transparente.

15) Por que, às vezes, na minha casa a água chega barrenta ou com coloração amarelada ou marrom?

Geralmente, durante os reparos das redes, parte da terra resultante das escavações, pode, acidentalmente, adentrar pela tubulação. Quando da conclusão do reparo, esse barro é levado pela água podendo adentrar indistintamente nas residências próximas. Em tais situações a SAE sempre mantém as descargas de rua abertas acelerando a lavagem das redes, até se constatar a clarificação da água. De qualquer forma, o cloro presente na água garante a desinfecção, sem riscos à saúde da população.

16) O filtro caseiro é necessário?

A SAE sugere que sejam utilizados. Entretanto, primeiramente, deve-se esclarecer que os filtros caseiros não são suficientes para adequar a água aos Padrões de Potabilidade estabelecidos pela legislação. Isto quer dizer que somente devem ser utilizados para águas já potabilizadas (já tratadas) pela SAE. Também não são totalmente confiáveis na “limpeza” da água quando proveniente de caixas d’água domiciliares mal conservadas. Quando utilizados, os filtros devem ser mantidos e operados de acordo com as orientações dos fabricantes. Nos casos das velas, não utilizar materiais abrasivos (ásperos) e nem mesmo açúcar, que é usualmente aplicado, nas limpezas periódicas. A utilização destes materiais danificam as velas e recomenda-se a limpeza periódica com água tratada corrente e a substituição das mesmas com freqüência.

17) Águas minerais são mais seguras que água potável?

Em primeiro lugar é preciso fazer uma distinção entre águas minerais verdadeiras das outras águas chamadas “engarrafadas”. É denominada de água mineral aquela proveniente de uma fonte natural cujas características físico-químicas lhe conferem uma ação medicamentosa com efeitos terapêuticos definidos. Assim, têm-se águas bicarbonatadas, águas brometadas, águas ferrujinosas, águas sulfurosas, águas radiativas, etc, cada uma com propriedades específicas de atuação no organismo. Outras águas engarrafadas, embora provenientes também de fontes naturais, apresentam concentrações mais brandas de substâncias químicas dissolvidas, e, portanto, sem efeito do ponto de vista farmacológico. Elas devem ser simplesmente chamadas de “Águas de Mesa”. As água de mesa (engarrafadas) diferem da água potável, por não passarem por tratamento físico-químico adicional. As águas de mesa podem ser gaseificadas, sob ação do gás carbônico, adicionado a elas ou presente no estado natural. É dever do consumidor que opta pelo consumo de águas engarrafadas verificar os respectivos rótulos, suas origens, licença de exploração, suas composições químicas prováveis, período de validade, etc. Consumir água engarrafada sem se verificar sua procedência é um risco muito alto. Lembre-se: todas as águas podem apresentar-se límpidas e cristalinas e agradáveis ao paladar, mas isto não é o suficiente. As aparências enganam. A maior vantagem e a segurança da água potável distribuída pela SAE, estão no contínuo controle de sua qualidade, desde a produção até os pontos de entrega, casa a casa, e na assistência técnica permanentemente disponível 24 horas por dia. Essas ações fazem da água potável da SAE um produto diferenciado. Não é objetivo da SAE competir com o mercado das águas engarrafadas, mas sim ofertar a toda cidade de Ituiutaba um abastecimento de água que garanta a saúde e o conforto da sua população, por um preço significante menor.

18) Eu posso usar minha caixa d’água para reservar água de fonte alternativa?

Se a sua residência estiver ligada à rede pública da SAE, não. LEMBRE-SE: A SAE garante a qualidade da água produzida e distribuída por ela. A mistura da água de outras fontes pode contaminar a água potável.

19) Para que serve o hidrante?

Hidrante é um dispositivo interligado à rede pública de abastecimento de água destinado a combater incêndios. Ele é utilizado exclusivamente pelo Corpo de Bombeiros.

20) O que é hidrômetro e qual a sua importância?

O hidrômetro é simplesmente o relógio que mede o seu consumo de água, ou seja, a água potável que você recebe é medida por ele. No caso da água potável, como na grande maioria das substâncias líquidas, a sua unidade de medida é o volume, expressos em m3 ou litros (L).

Lembre-se 1m3 = 1000 litros

O hidrômetro mede continuamente o volume de água que entra no imóvel, registrando no visor os valores em metros cúbicos (números pretos) e as frações de metros cúbicos = litros (números vermelhos). Todos os hidrômetros instalados pela SAE são fabricados e aferidos de acordo com a Portaria do INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia).

21) Existe um padrão para a instalação do hidrômetro?

Sim, esse modelo foi criado pela SAE e estabelece a obrigatoriedade do hidrômetro ficar protegido dos riscos de ser danificado por choques e vandalismos, seu mostrador deverá se posicionar num plano horizontal, aumentando a confiabilidade da medição. O consumidor deverá optar por uma grade de proteção. A sua instalação, do lado externo do muro, elimina a possibilidade do morador ser enganado por pessoas que possam vir a se passar por funcionários da SAE, desejando acessar o imóvel com más intenções, além do que, a leitura e o acesso à manutenção deverão ser facilitados, evitando, assim, incomodar o morador.

22) Como é feita a leitura do hidrômetro?

Todos os meses o leiturista da SAE passa no seu imóvel anotando os números pretos que aparecerem no visor do seu hidrômetro. Estes números pretos representam o consumo acumulado, em m3, que entrou na sua casa desde a data que aquele hidrômetro foi instalado. Como o leiturista passa todos os meses anotando os números pretos, a diferença entre a última leitura e a leitura atual, determina o quanto a sua casa consumiu de água no período entre as duas leituras. Este resultado servirá de base para o cálculo do valor da conta de água que você receberá. Desta forma, ao receber sua conta de água, não se limite apenas a ler o valor a ser pago e a data do vencimento. Acompanhe o consumo mensal.

23) Como eu posso saber se estou gastando água mais do que o necessário?

Segundo a ONU Organização das Nações Unidas, a quantidade de água suficiente para atender as necessidades básicas de um indivíduo é de 110 litros.

Desta forma, dependendo do número de pessoas que moram em sua casa, o consumo ideal de água por mês seria:

Nº pessoas residentes Consumo ideal/mês (m3)
6 20,0

5
17,0
4 14,0
3 10,0
2 7,0

 

24) Como eu posso praticar o uso racional de água na minha residência?

 

  • Em primeiro lugar, praticar o uso racional da água significa mudar hábitos e costumes. Siga estes exemplos:
  • Ao escovar os dentes ou fazer a barba, mantenha a torneira fechada até a hora de enxaguá-los ou lavar o rosto.
  • Ao tomar banho, feche a torneira enquanto se ensaboar.
  • Use uma bacia ou a cuba da pia para ensaboar pratos e talheres e só abra a torneira para enxaguá-los.
  • Quando lavar roupas, junte uma quantidade suficiente para lavar de uma vez, aproveitando a capacidade total do seu tanque ou máquina de lavar
  • Aproveite a mesma água do tanque para lavar pisos e pátios.
  • Lavar calçada é desperdiçar água. Você tem o mesmo resultado se usar a vassoura. Faça apenas a varrição. Recolha a sujeira varrida com uma pá e coloque no lixo. Não deixe a sujeira varrida na sarjeta ou na calçada do vizinho. Ela é fonte de poluição dos cursos-d’água.
  • Se você lava o carro uma vez por semana, passe a lavá-lo a cada quinze dias, usando balde ou bacia ao invés da mangueira.
  • Regue as plantas e jardins logo pela manhã ou no final da tarde. Após uma chuva, suspenda a rega por 2 ou 3 dias.
  • Evite jogar lixo no vaso sanitário (invólucros de produtos de higiene, absorventes, tocos de cigarro) para não aumentar desnecessariamente a freqüência das descargas. Mantenha sempre uma lixeira no banheiro.
  • Procure conhecer a planta de sua casa e por onde passa os encanamentos embutidos. Nas áreas úmidas ou onde a pintura estiver descascando, pode haver vazamento. Consulte um encanador de sua confiança.
  • Mantenha a bóia da caixa d’água, as válvulas de descargas e as torneiras em permanente estado de conservação, sem vazamentos.
  • Acompanhe pela conta de água o volume consumido em sua casa todos os meses. Multiplique o volume consumido em m3 por 1000 para obtê-lo em litros. Divida este valor por 30 (dias) para obter o consumo diário. Divida este resultado pelo número de pessoas que moram em sua casa para obter o consumo diário por pessoa (litros/pessoa/dia). Se este valor resultar em aproximadamente 150 litros, a sua família está praticando o uso racional de água. Parabéns!

25) Para o mesmo consumo mensal de água, todos os imóveis pagam valores iguais? 

Não. A SAE trabalha com tarifas diferenciadas conforme a categoria do imóvel:

 

  • Categoria Social
  • Categoria Residencial
  • Categoria Comercial
  • Categoria Industrial
  • Cada categoria é desmembrada em faixas de consumo com preços diferenciados e progressivos.

26) O que é a Tarifa Mínima?

A Tarifa Mínima é o preço fixo mensal, aplicado a todas as categorias, quando o seu consumo mensal for inferior ou igual ao consumo mínimo correspondente: (residencial de zero a 10m³, comercial de zero a 30m³ e industrial de zero a 60m³).

A razão da tarifa mínima deve-se ao fato de que as despesas dos serviços prestados pela SAE à população não cessam. A manutenção de um complexo sistema de abastecimento de água exige uma permanente estrutura operacional e de apoio administrativo. Logo, é justo que haja um mínimo de retorno para cobrir esses gastos, mesmo que eventualmente os serviços deixem de ser utilizados, pois de qualquer forma eles estão sempre à sua disposição.

27) Como posso evitar a cobrança da tarifa mínima de um imóvel desocupado?

Solicitando o cancelamento provisório da ligação, que deverá ser de no mínimo 03 meses.

IMPORTANTE

Mantenha-se informado sobre os pagamentos da conta d’água do seu imóvel alugado, evitando acúmulo de débitos quando o mesmo for desocupado.

28) Às vezes o consumo do mês é só um pouco maior que do anterior, mas o valor da conta de água é bem maior. O que acontece?

Com exceção da tarifa mínima, cujo valor é fixo, a SAE adota uma tabela com valores progressivos para cálculos de consumo. Quanto mais se gasta, mais se paga. Esta tabela muda de valor a cada 5m³ faturados. A SAE entende que com esta medida estará inibindo o desperdício de água.

29) No meu terreno construí uma casa de fundo e aluguei o imóvel. Agora quando chega a conta de água é uma “briga” para dividir o seu valor. O que fazer?

A solução é solicitar à SAE uma segunda ligação exclusiva para a casa do fundo. A segunda ligação poderá ser fornecida através da solicitação do proprietário, que deverá trazer uma conta de água do imóvel. Para liberação desta segunda ligação não poderá constar débito do imóvel.

30) O que devo fazer quando o consumo marcado na minha conta d’água aumentar repentinamente? 

A SAE tem um programa de computador que emite relatórios para análise crítica de medição e consumo que estabelece uma faixa de variação aceitável do consumo do seu imóvel, a maior e a menor, baseado no histórico de consumo dos últimos 12 meses. Caso o consumo atual esteja fora da faixa de consumo aceitável, a SAE deixa uma correspondência informando o consumo fora de faixa e pede que o consumidor procure a SAE para que em conjunto tomem as devidas providências.

31) E se o problema for no hidrômetro?

Se, na inspeção, a SAE suspeitar um funcionamento incorreto do hidrômetro, a substituição do mesmo é feita imediatamente. O hidrômetro é retirado e encaminhado ao laboratório para aferição. Confirmado o seu defeito, a substituição é realizada sem nenhum custo para o consumidor.

32) Nesse caso como fica a cobrança do consumo registrado nesse período?

A cobrança do volume registrado na conta de água daquele mês será recalculada pela média de consumo dos últimos 03 meses e sua conta refeita.

33) A SAE pode trocar o hidrômetro da minha casa?

Sim. É de responsabilidade da SAE a operação e manutenção do sistema de distribuição de água em Ituiutaba e esse sistema incorpora o hidrômetro. Dessa forma, sempre que for detectado alguma irregularidade com o equipamento de medição, a SAE deve substituí-lo sem ônus ao consumidor. Sempre que acontece a troca, a SAE entrega um informativo ao consumidor explicando a causa da troca.

34) Pode existir a incidência de passagem de ar pelo meu hidrômetro?

Este fato pode ocorrer somente durante a interrupção do fornecimento de água no setor, por exemplo para a realização de serviços de manutenção nas redes. Nestas ocasiões, o ar é admitido nas tubulações das redes pelos ramais domiciliares por meio das bóias das caixas d’água, quando estas se abrem com o consumo de água da caixa das residências. Durante o processo de entrada de ar nas redes, que vem das bóias das caixas d’água, o hidrômetro pode girar ao contrário, ou seja, “desmarca” um certo volume. Quando o abastecimento retorna, o hidrômetro pode girar, registrando o volume que havia sido desmarcado durante a entrada do ar. Contudo, este processo acontece nas partes mais altas das redes e somente quando o desabastecimento e o retorno da água nas redes acontece abruptamente. Do contrário, o ar não consegue girar as engrenagens dos hidrômetros. Para que não ocorra esta situação, a SAE instala em suas redes um dispositivo chamado ventosa, que tem a função de eliminar o ar que adentra às tubulações quando o abastecimento é interrompido. Esta peça, que é fabricada e instalada de acordo com normas técnicas, é alojada em pontos altos das redes e sub-adutoras de água. Em situações normais de abastecimento, não há a presença de ar nas redes, pois as mesmas trabalham sob pressão.

35) O que fazer quando terceiros vierem oferecer “serviços” ou “peças” que diminuam a conta de água?

Em primeiro lugar, não existem dispositivos que comprovadamente possam promover a redução nas contas de água, nem no Brasil, nem no exterior. Os dispositivos chamados de “eliminadores de ar” que são oferecidos por algumas empresas com a justificativa de reduzirem as contas de água por não permitirem a passagem de ar pelo hidrômetro, não possuem nenhuma norma técnica de fabricação, nem mesmo aprovação por órgãos e institutos de pesquisas e metrologia no país, como o Instituto de Pesquisa Tecnológica (São Paulo) e INMETRO. Diversos testes já foram realizados por vários institutos e empresas de saneamento no país, que concluíram que não existe eficácia na sua utilização. Em situações normais de abastecimento, não há a presença de ar nas redes, pois as mesmas trabalham sob pressão.

Em segundo lugar, nenhuma empresa ou pessoa que não seja funcionário da SAE devidamente identificado ou seus credenciados pode executar serviços nos cavaletes dos hidrômetros (padrão de água). O bom funcionamento das redes e ligações de água, bem como a qualidade da água até o ponto de entrega, que é o hidrômetro instalado nos cavaletes ou padrões, é de responsabilidade da SAE.

Assim, quando terceiros vierem oferecer serviços ou peças que diminuam a conta de água, recuse a oferta e, se necessário, consulte a SAE, por meio do atendimento personalizado ou pelo telefone 0800-348195, para maiores esclarecimentos.

36) Para onde vão os recursos arrecadados pelas contas de água?

A água potável que recebemos em casa é um produto industrializado, implicando em custos de energia elétrica, produtos químicos, materiais, equipamentos, mão de obra qualificada para operação e manutenção do sistema de produção e distribuição de água, coleta e tratamento de esgoto da cidade. Com o crescimento da cidade, surge a necessidade de dotá-la de extensão de redes de distribuição de água e redes coletoras de esgoto e seus respectivos ramais. Além disso, há o contínuo investimento na melhoria dos produtos e serviços prestados.

Assim, todo recurso arrecadado volta para a comunidade em forma de qualidade de vida para todos.

37) Como eu identifico um funcionário da SAE que deseja vistoriar o interior de minha casa?

Todo funcionário da SAE estará uniformizado e usando crachá. Antes de deixá-lo entrar, é conveniente perguntar o motivo da visita. Na maioria das vezes, o funcionário estará atendendo ao seu chamado.

38) Que documentação é necessária para solicitar a ligação de água?

  1. Certidão Negativa de Débitos, para fins de ligação de água, que deverá ser requerida junto à Secretária de Fazenda, na Av. 17 esquina com 22.
  2. Documentos pessoais do proprietário (CPF e RG)

Se for uma segunda ligação, o proprietário do imóvel não poderá estar em débito com a SAE e deverá apresentar apenas uma conta de água e documentos pessoais para solicitar a ligação.

 

Inicial | Histórico | A Autarquia | Sistema de Gestão de Qualidade | Processos | Comunidade | Meio Ambiente | Licitações | Aprenda com o gotão
Relatório Anual de Qualidade da Água | Tarifas | Postos de Recebimentos | Links | Mapa do Site | Fale Conosco | Regulamento SAE | Dicas | Entenda sua conta